Homepage

O que é Artrite Reumatóide?

A Artrite Reumatoide (AR) é uma doença autoimune, crônica, que acomete, principalmente, mulheres. As células de defesa do organismo atacam, erroneamente, a membrana sinovial, que é uma fina membrana que reveste as articulações do corpo. Quando isso acontece, as articulações ficam inflamadas, provocando dor, inchaço e vermelhidão. Embora seja mais comum em mãos e pés, a AR também pode aparecer em outras articulações ou orgãos. Apesar de não ter cura, a doença necessita de tratamento adequado para que ela não evolua para o comprometimento das juntas, com consequentes deformidades, que limitam as atividades diárias. A doença pode se manifestar em qualquer idade, mas isso ocorre mais comumente entre os 40 e os 60 anos.

Quais as causas da Artrite Reumatoide?

As causas ainda não são conhecidas. Entretanto, há um consenso entre os pesquisadores de que a soma de fatores genéticos e ambientais está relacionada ao surgimento da doença. Bactérias e vírus podem ser os responsáveis por provocar o surgimento da doença em pacientes que tenha predisposição genética para tal. Hormônios femininos também podem ser uma das causas, visto que a incidência em mulheres é maior que em homens.

Quais os sintomas da Artrite Reumatoide?

A AR costuma alternar períodos de crise e remissão, dependendo do estágio de desenvolvimento da doença. Nas crises, as articulações apresentam vermelhidão e inchaço, além de dor e sensibilidade. Os sintomas também incluem fadiga, perda de energia e rigidez muscular e articular, muito comum na parte da manhã ou períodos mais prolongados de inatividade. A inflamação causa danos a diversos tecidos, processo que resulta na deformação e perda de função das articulações.

Qual especialidade médica deve ser consultada para o diagnóstico e tratamento da Artrite Reumatoide?

Deve-se consultar um Reumatologista.

Quais os tratamentos usados para a Artrite Reumatoide?

O médico Reumatologista deve definir o tratamento para cada paciente, a partir da avaliação do grau de desenvolvimento da doença, considerando os sintomas apresentados, funções afetadas e resultados de exames radiológicos. O grau de atividade da doença é classificado em leve, moderado e grave. Além deste aspecto, o especialista também considera a idade, estado de saúde geral do paciente, ocupação e as articulações já afetadas. O tratamento costuma ser composto por medicamentos, terapias, exercícios e repouso. Os medicamentos são drogas modificadoras da doença, que devem ser tomadas indefinidamente, e anti-inflamatórios, que devem ser tomados apenas quando houver inflamação e dores articulares. Quanto mais cedo começar o tratamento, melhores tendem a ser os resultados obtidos.

Além das articulações, a Artrite Reumatoide pode atingir órgãos. Quais são eles, de que formas a doença se manifesta e quais os tratamentos?

Por ser uma doença sistêmica, a Artrite Reumatoide pode atingir outros órgãos. Isso, no entanto, é mais comum ocorrer em pacientes que apresentem a doença em estágio “grave” e não realizem qualquer tratamento por um longo período.

  • Sob a pele, podem aparecer pequenos Nódulos Reumatoides. Se localizados em regiões que realizam atividades, como os dedos por exemplo, podem necessitar de tratamento;
  • Nódulos Reumatoides também podem se desenvolver nos pulmões, mas eles não oferecem riscos. Pacientes com Artrite Reumatoide são mais propensos a contrair Tuberculose e desenvolver Fibrose Pulmonar e Pleurisia;
  • Pacientes com Artrite Reumatoide têm mais chances de desenvolver doenças cardiovasculares;
  • O uso de alguns medicamentos para tratar a Artrite Reumatoide podem afetar órgãos como rins e fígado;
  • A Artrite Reumatoide pode afetar os nervos de braços e pernas, causando dormência, formigamento e fraqueza;
  • A AR pode causar anemia, formação de coágulos sanguíneos, além de tornar os pacientes mais propensos a desenvolver a Síndrome de Felty e Vasculite;
  • Nos olhos, a Artrite Reumatoide pode favorecer o desenvolvimento de doenças como a Uveíte, Esclerite, e a Síndrome de Sjogren. Em função disso, o paciente deve consultar um Oftalmologista, regularmente.
  • O cuidado com a saúde bucal e a visita regular ao dentista são muito importantes para pacientes com Artrite Reumatoide. Pelo fato das células produtoras de saliva serem destruídas pelo sistema imunológico, a boca tende a ficar mais seca, criando ambiente propício para o desenvolvimento de cáries e doenças periodontais.

É possível prevenir a Artrite Reumatoide?

Não. No entanto, se começar a ser tratada nos estágios iniciais, maiores as chances de sucesso do tratamento. Assim, sempre que você observar a ocorrência de dor, inchaço e rigidez nas articulações, principalmente, pela manhã, após levantar-se, procure um Reumatologista para uma avaliação.

Se não há cura e não há como prevenir a doença, que cuidados são recomendados para amenizar seus sintomas?

  • Fazer exercícios físicos: os exercícios físicos fortalecem os músculos que, por sua vez, protegem a articulação inflamada. Além disso, eles contribuem para corrigir e prevenir a perda ou a limitação dos movimentos, a fraqueza muscular, a atrofia e a instabilidade das articulações. Devem ser realizados exercícios com menor grau de impacto nas articulações, voltados para o fortalecimento muscular e alongamentos.
  • Evitar permanecer muito tempo na mesma posição: isso provoca o acúmulo de líquido no interior da articulação inflamada, distendendo-a e aumentando a sensibilidade.
  • Controlar o peso: o excesso de peso sobrecarrega as articulações, e pode antecipar o processo de degeneração. Além disso, a obesidade pode contribuir para o surgimento de doenças comuns em pacientes como AR, tais como doenças do coração, diabetes, hipertensão e colesterol alto.
  • Dormir bem: o sono exerce influência sobre o sistema imunológico. Noites mal dormidas tornam o organismo mais vulnerável a doenças.
  • Ficar em dia com a vacinação: para manter sua imunidade fortalecida e, assim, não contraia doenças infecciosas, que podem piorar seu estado de saúde, o paciente com AR deve estar sempre com a vacinação em dia.
  • Seguir, rigorosamente, as orientações do médico, bem como tomar todas as medicações prescritas.
  • Fazer adaptações em casa e no trabalho: facilitar a realização das tarefas diárias pode reduzir a frequencia das dores. Abrir frascos e escovar os dentes podem representar verdadeiros desafios para pacientes com AR.